sexta-feira, 20 de março de 2009

Eutanasia

Imaginem alguém que gostam muito.
Imaginem que esse alguém tem uma doença grave, incapacitante, irreversível.
Como se sentem após a morte dessa pessoa?
Infinitamente tristes, certamente.
Mas, simultaneamente, não há também um sentimento de alivio?...